Condução autónoma gera dois milhões de euros na Bosch

Na Bosch, a condução autónoma também está a assumir uma forma cada vez mais concreta. No início da próxima década, juntamente com a Daimler, o maior fornecedor de automóveis do mundo, a Bosch, vai lançar nas ruas das cidades frotas altamente automatizadas de veículos partilhados.

Isto irá melhorar os fluxos de trânsito e irá contribuir para uma maior segurança. De acordo com uma pesquisa global, metade de todos os consumidores daria as boas-vindas a um veículo autónomo que alivia os condutores das tarefas e o orienta no trânsito.

A Bosch já deu os primeiros passos para a condução autónoma: desde o início de 2018, os automóveis que estão estacionados no Museu Mercedes-Benz, em Estugarda, irão procurar um espaço de estacionamento e irão estacionar-se sem condutor.

Esta situação reduz o stress e faz um uso mais eficiente do espaço de estacionamento: a mesma quantidade de espaço pode acomodar até 20% mais veículos. Este valet parking autónomo é possível pela infraestrutura de estacionamento garagem inteligente fornecida pela Bosch. "A Bosch pode fazer mais do que carros. Estamos a usar toda a gama de tecnologias da empresa para colocar em prática formas de mobilidade inovadoras", disse Denner.

Esta abordagem também se aplica à conectividade. Nos próximos cinco anos, o mercado de mobilidade conectada irá crescer quase 25% ao ano. Isso significa que as vendas globais irão aumentar de 47 para 140 mil milhões de euros, de acordo com a PwC. A Bosch dispõe de um conhecimento de sensores, software e serviços como nenhuma outra empresa na indústria automóvel.

Atualmente, 1,5 milhões de veículos estão conectados usando o software Bosch IoT. A conectividade do veículo torna muitos serviços de mobilidade possíveis. Os veículos irão tornar-se assistentes pessoais. "Apenas a conduzir", foi ontem. Ao conectar automóveis com casas e escritórios inteligentes, estamos a transformar os veículos num terceiro ambiente de vida ", afirmou Denner.

Em breve, a conectividade irá significar que os veículos lidam digitalmente com compromissos de reparação, usando o novo serviço "software over the air" da Bosch. Isso irá permitir que os dados do veículo sejam atualizados de forma segura e confiável, da mesma forma que os smartphones são, agora, atualizados.

E será possível fazer o download de funções adicionais, como o mecanismo de procura de espaço de estacionamento. No futuro, ao usar o “software over the air”, os condutores poderão reconfigurar seus veículos. Na Bosch, a conectividade estende-se muito além do capot.

Através de serviços como o Coup, o serviço de partilha de e-scooter que está a revolucionar o trânsito em Berlim e Paris, a Bosch está-se a tornar um fornecedor de serviços de mobilidade. Estudos estimam que o mercado de serviços de mobilidade crescerá, anualmente, 28% em todo o mundo.