Setor Automóvel mantém dinâmica

A AFIA – Associação de Fabricantes para a Indústria Automóvel – acaba de divulgar o relatório de 2014 sobre a Indústria Automóvel Mundial, destacando alguns dados mais relevantes.

De acordo com o relatório, a Europa, apesar de ter produzido em 2014 mais 500 mil veículos do que em 2013, registou o valor percentual mais baixo de sempre em termos da produção de veículos automóveis mundial, continuando a nível global e ao longo dos anos com um peso percentual decrescente.

Dentro do mercado europeu, Espanha destaca-se pelo forte crescimento da produção (11,1%) que passou dos 2,2 para os 2,4 milhões de veículos produzidos, posicionando-se assim como  2º maior produtor europeu de veículos automóveis, logo atrás da Alemanha, com 5,9 milhões.

Com um comportamento semelhante ao da Europa está a produção global americana (norte e sul), com a recessão brasileira a anular o crescimento moderado do mercado norte-americano.

Já o mercado asiático continua a registar forte crescimento, quer em termos de volume de veículos produzidos, quer percentualmente, em relação ao mercado global. A China lidera claramente este mercado, apresentando um crescimento da produção na ordem dos 7,3%, ou seja de 22,1 para 23,7 milhões de veículos produzidos. Na realidade, só a China produz mais do que toda a Europa, apesar de ainda assim, o número de veículos automóveis por 1000 habitantes ainda ser de apenas 91 na China, enquanto a média europeia se situa nos 451.

No que se refere à evolução das vendas e exportações da Indústria Portuguesa de Componentes para Automóveis, o relatório informa que em 2014 o volume de vendas se situou nos 7500 milhões de euros, ou seja, uma evolução muito significativa em relação a 2013 que ficara nos 7100 milhões.

As exportações passaram dos 5870 milhões de euros em 2013 para os 6200 milhões em 2014, sendo Espanha o principal destino da produção dos componentes nacionais, representando 23,7% das exportações. As vendas para Espanha cresceram para 1469 milhões de euros, pelo que as empresas de componentes automóveis instaladas em Portugal já vendem mais para Espanha do que para o mercado interno.

O crescimento da indústria de componentes automóveis em Portugal é particularmente significativo, considerando-se que as suas produções se destinam maioritariamente para um mercado europeu, que como mostram os dados, se tem mantido praticamente estagnado.

O primeiro trimestre trouxe primeiros sinais de recuperação do mercado europeu, com as vendas de automóveis a crescerem 15% sobre o primeiro trimestre de 2014.
De acordo com Tomás Moreira, presidente da AFIA, «a capacidade de conquista de novos mercados por parte do setor é inequivocamente um sinal da sua competitividade e dinamismo. Estamos muito confiantes de que a recuperação do mercado europeu já em 2015 trará consigo um novo crescimento significativo das nossas exportações».