“Diversidade e qualidade fazem toda a diferença”

João Cordeiro, gerente a HBC II, diz que a chave do sucesso da empresa está no facto de ser capaz de continuar a diversificar os serviços e a gama de produtos. A empresa renovou a loja de Vialonga e está a crescer na região de Lisboa.

Como está a ser o desempenho da nova loja em Vialonga?
Este renovado espaço dispõe de 800 m2, está localizado numa zona estratégica e conta com uma equipa jovem e dinâmica, o que nos tem permitido estar mais perto do cliente de forma a satisfazer as suas necessidades com mais eficiência.

Neste momento, estão a alargar o vosso armazém central na Batalha. Quais os objetivos?
A nossa ideia é centralizar o material de stock no nosso armazém na Batalha, de forma a que as filiais tenham apenas o indispensável para o dia a dia, permitindo, desta forma, apostar em diversidade e não em quantidade de produto. Hoje em dia, com as soluções de logística, é possível entregas duas vezes ao dia, desde a Batalha até praticamente todo o país.

O que está a fazer a HBC para fidelizar os atuais clientes e conquistar novos?
A nossa carteira de clientes é bastante diversificada. É caracterizada por transportadoras de mercadorias e de passageiros. E por oficinas independentes. Com as alterações de mercado verificadas nos últimos anos no setor dos pesados, tivemos de preparar-nos para estar cada vez mais próximos dos clientes e, com isto, garantir o fornecimento de um serviço cada vez mais completo e eficiente. De ano para ano, temos vindo a incrementar mais produtos e marcas ao nosso portefólio. Hoje em dia, a diversidade e qualidade fazem toda a diferença.

A venda de peças reconstruídas tem tido mais procura por parte dos vossos clientes?
Sim, as peças reconstruídas são uma boa solução, pois diminui bastante o período de imobilização do veículo, o que a torna numa solução mais vantajosa. Reconstruimos motores, caixas de velocidades, diferenciais, motores de arranque e alternadores, caixas de direção, entre outros componentes, para as principais marcas de pesados. São reconstruídos nas instalações da HBC, recebendo a garantia após a venda.

E relativamente às marcas premium, qual é o vosso posicionamento?
Ao longo dos últimos anos, temos vindo a apostar em dois caminhos distintos em relação a novos produtos. Apostamos nas marcas premium presentes no primeiro equipamento e, paralelamente, na nossa marca TTP como uma alternativa de qualidade a preços mais competitivos. Atualmente, 70% das marcas que distribuímos são de primeiro equipamento, estando a HBC, desta forma, sempre na frente relativamente a novos produtos.

E qual tem sido o desempenho da vossa marca própria TTP?
A nossa marca própria TTP contribui com uma faturação anual que já representa uma fatia importante no negócio global da HBC. Conseguimos conquistar a confiança dos nossos clientes através da qualidade dos produtos e não através do preço. A marca TTP dispõe, atualmente, dos seguintes produtos: discos e pastilhas e calços de travão, foles e amortecedores de suspensão, baterias, farolins, espelhos, discos e rolos de tacógrafo, barras de direção e suspensão e escovas limpa-vidros.

Quais são as linhas estratégicas para o futuro da HBC II?
Sabemos como o negócio funciona e acompanhamos o mercado. A nível financeiro, tem de haver uma constante preocupação com as cobranças. A maioria dos nossos clientes são transportadoras, com níveis de tesouraria muito deficitárias. Os seus resultados operacionais são há vários anos negativos e para agravar a situação, o acesso ao crédito bancário é muito limitado.

Apesar deste cenário um pouco negativo, iremos continuar a diversificar os nossos serviços e a gama de produtos. Isto tem sido a chave do nosso sucesso e, também, da nossa evolução ao longo destes mais de 20 anos. Queremos manter a dinâmica, diversidade e qualidade dos nossos serviços, apoiados na abrangência do nosso stock, com mais de 10.000 referências ativas de peças para pesados. Representamos e comercializamos marcas de prestígio e a nossa marca própria tem vindo a ganhar importância nas vendas. O mercado nacional é a nossa prioridade, mas estamos atentos às novas oportunidades.