"Temos grandes desafios pela frente"

2016 é o ano da introdução da nova imagem corporativa da Rodapeças. Carlos Rosa, fundador e atual presidente do concelho de administração, pretende alterar a imagem exterior e interior das lojas, bem como implementar um desejo dos seus colaboradores, que é o vestuário corporativo da empresa nas lojas e no serviço externo.

O que está a ser feito para melhorar a conectividade digital com os clientes?
Esta área será uma das que a Rodapeças tem maior potencial de desenvolvimento. Estamos em fase de teste da nossa webshop, que permitirá a ligação com os nossos clientes por via digital.
Reconhecemos as elevadas exigências e desafios que os negócios online nos trarão nos próximos anos. Como tal, teremos de nos rodear de parceiros muito qualificados e flexíveis, que nos ajudem a vencer num meio que para nós é algo estranho.

Em que consiste o Programa de Fidelização que lançaram para as oficinas? Quais as mais-valias deste programa para os vossos clientes?
O Programa de Fidelização de Clientes Rodapeças 2016 tem uma abrangência muito grande e pretende ir ao encontro das principais necessidades das oficinas independentes. Solicitámos um estudo a uma empresa especializada no aftermarket sobre as necessidades das oficinas auto independentes e fomos ao encontro das mesmas.

Porque decidiram fazer parte da estrutura societária da ETAP - Escola Tecnológica, Artística e Profissional de Pombal?
A Rodapeças acredita na formação profissional como motor do desenvolvimento empresarial e como um fortíssimo contributo no desenvolvimento económico do país.
O modelo de formação que a ETAP desenvolve, com uma forte ligação às empresas, é aquele em que acreditamos. As empresas do século 21 necessitam de pessoas tecnicamente qualificadas, mas acima de tudo, com a atitude certa. Hoje, as empresas necessitam de colaboradores que consigam desenvolver várias funções, sendo flexíveis e competentes. Tendo em conta tudo o que aqui expressamos, não fazia sentido ficarmos fora deste projeto regional, que apadrinhamos desde o início.

A Rodapeças sempre apostou na formação técnica dos seus clientes e colaboradores. Qual o plano de formação programado para este ano?
A Rodapeças tem um ambicioso programa de formação para os seus clientes neste ano de 2016. Vamos realizar vários cursos de Formação Técnica Automóvel, também na área da Gestão das Oficinas e ainda na área comportamental. Este ano, até um curso de pintura automóvel de elevadíssima qualidade vamos ter no programa. Apesar da Rodapeças não ter tintas auto no seu portefólio de produtos, temos muitos clientes na área da colisão que mostraram interesse neste tipo de formação. Conseguimos encontrar uma solução de valor acrescentado para os nossos clientes.  

Quanto aos colaboradores, temos um programa contínuo de formação, que, este ano, será intensificado. Temos grandes desafios pela frente e toda a equipa necessita de estar preparada para lidar com eles. Isto parece uma frase politicamente correta, mas, na Rodapeças, é uma frase plena de sentido. Os recursos humanos são o fator-chave do sucesso das empresas do século 21 e nós pretendemos potenciar talentos e munir as pessoas do conhecimento necessário para que consigam ultrapassar desafios, atingir objetivos e sentirem-se motivadas.

Qual a importância da marca própria PADOR para o negócio da empresa?
A PADOR tem uma importância estratégica muito relevante na Rodapeças enquanto distribuidor de peças auto. Acreditamos na diferenciação de serviços e produtos, sempre mantendo elevados standards de qualidade, sem nunca esquecer a necessária competitividade num mercado dominado por descontos agressivos.
A PADOR foi lançada em Portugal há pouco mais de um ano e é, por isso, uma marca em desenvolvimento e a encontrar o seu espaço no mercado. No entanto, conseguimos apenas com dois produtos, em 2015, ter resultados muito encorajadores.
Em 2016, contamos lançar mais dois produtos da gama PADOR. Queremos desenvolver a marca em Portugal, de forma sustentada e sem loucuras. A PADOR já tem um distribuidor em Braga e outros distribuidores surgirão ao longo dos próximos meses, noutras zonas do país.        

Qual tem sido o desenvolvimento do negócio das peças usadas na Rodapeças? É um mercado com potencial de crescimento?
As peças usadas fazem parte do ADN da Rodapeças, sendo mais uma fonte de diferenciação no mercado. O aumento da procura de peças usadas tem sido sentida ao longo dos últimos anos. Mas também neste negócio a pressão dos preços se faz sentir de uma forma muito intensa.

Acreditamos no potencial de crescimento do negócio das peças usadas, negócio onde a+a diferenciação e a inovação farão a diferença. As tradicionais sucatas na Europa estão a ser substituídas por empresas muito bem organizadas e geridas, com elevados standards de qualidade, com plataformas logísticas poderosas e lojas online muito interessantes.  

O que tenciona fazer para aumentar o volume de vendas das peças usadas?
A Rodapeças está, neste momento, a fazer grandes investimentos para melhorar toda a operação das peças usadas. Se conseguirmos melhorar a nossa capacidade de resposta às solicitações do mercado, estamos convictos que teremos um reflexo imediato nas vendas. É para tal que estamos a trabalhar.

Quais as áreas da empresa onde vão investir mais este ano?
Conforme já referido, o investimento na área de negócio das peças usadas será, porventura, o mais significativo do ponto de vista financeiro. De qualquer forma, inaugurámos uma nova loja na Figueira, com muito mais espaço e condições. Nesta loja, estamos a dar início à introdução da nova imagem corporativa da Rodapeças.


A Rodapeças já completou 25 anos de atividade. Como prevê que sejam os próximos 25 anos da empresa?
Nos tempos que correm, 25 anos é uma eternidade e não conseguimos ver tão longe. Cremos que nos próximos 10 anos grandes alterações na indústria automóvel a nível global vão acontecer e que irão alterar fortemente o nosso negócio. De qualquer forma, não nos admiraríamos se, antes de 2040, a Rodapeças fizesse entregas via drones, as vendas fossem 90% online e as "lojas" fossem apenas show rooms com robots a fazer o atendimento...