Michelin une-se à Faurecia nas pilhas de combustível

A Michelin, líder mundial em pneus e mobilidade sustentável, e a Faurecia, líder tecnológico na indústria automóvel, anunciaram a assinatura de um Memorando de Entendimento para criar uma joint venture.

O objetivo é aglutinar todas as atividades relacionadas com as pilhas de combustível que, até agora, a Faurecia e a Michelin, incluindo a sua filial Symbio, desenvolviam individualmente.

Deste modo, a nova empresa, especializada em soluções relacionadas com o uso do hidrogénio, passa a ser propriedade, em partes iguais, da Faurecia e da Michelin.

Esta joint venture francesa, construída em torno de um ecossistema único, desenvolverá, produzirá e comercializará sistemas de células de combustível de hidrogénio para automóveis ligeiros, camiões e outras aplicações.

A Faurecia e a Michelin estão convictas da importância da tecnologia do hidrogénio na busca de uma mobilidade sem emissões e da necessidade de criar uma forte indústria, francesa e europeia, em torno deste combustível.

Ambas as empresas pretendem dar forma a um líder mundial em sistemas de pilhas de combustível de hidrogénio, combinando os ativos existentes e complementares que cada grupo dispõe.

Esta simbiose permitirá que a nova empresa ofereça, de forma imediata, uma gama única de sistemas de células de combustível de hidrogénio para diferentes utilizações.

Para os veículos elétricos, a tecnologia de células de combustível complementa a das suas próprias baterias, especialmente nos casos que requerem uma utilização muito intensa e uma maior autonomia.

Para mais, a tecnologia de pilhas de combustível foi, recentemente, selecionada pela União Europeia como um dos seis Projetos de Interesse Comum mais importantes da Europa.

A contribuição da Michelin para a joint venture será a atividade da Symbio, uma filial do grupo desde 1 de fevereiro de 2019, e fornecedor de sistemas de células de combustível de hidrogénio associados a uma gama de serviços digitais, assim como as suas próprias atividades de I+D e produção.

Também pode querer ler