Distribuição de peças: está a par das tendências?

O setor da distribuição de peças, em Portugal, está a mudar o rosto e a adotar uma linguagem cada vez mais ibérica.

É uma forma de adaptação a uma alteração paradigmática da própria indústria automóvel. A erosão do tempo não deixa nenhum mercado indiferente. O pós-venda está a mudar. No mundo inteiro. E Portugal não é exceção.

Nunca, como hoje, foi importante as empresas do setor estarem atentas às tendências e ao caminho que devem adotar. Mesmo as que têm sido geradoras de lucros consistentes ao longo dos anos, até porque a própria indústria automóvel está em mutação acelerada.

Um estudo recente da McKinsey sobre o setor é elucidativo de como o pós-venda mudará a face até 2030. Quais alterações? Desde logo, “as expectativas dos consumidores, a adoção acelerada de novas tecnologias e as mudanças na competitividade”, pode ler-se.

“Assim, a criação de valor e os modelos de negócio no mercado do pós-venda automóvel também serão profundamente remodelados por estas mudanças”, refere o mesmo documento.

Leia o artigo completo na edição de março do Jornal das Oficinas.

Também pode querer ler