ZF apresenta arranque elétrico de duas velocidades

 A ZF acelera com a sua nova tração elétrica de duas velocidades para automóveis que integram um motor elétrico avançado e uma unidade eletrónica.

Em comparação com arranques elétricos anteriores, o ganho de eficiência energética aumenta a autonomia de cada recarga de bateria.

As suas dimensões reduzidas também tornam o novo sistema vantajoso para veículos de turismo do segmento compacto.

Além disso, a sua modularidade possibilita a realização de ajustes para aplicações em veículos desportivos e de alto desempenho.

Com a sua inovadora solução de arranque elétrico de duas velocidades, a ZF eleva a mobilidade elétrica a um outro patamar no segmento dos veículos de turismo.

“Para veículos elétricos em utilização diária é importante obter a maior autonomia possível de cada recarga de bateria”, afirma Bert Hellwig, responsável da System House da Divisão de Mobilidade Elétrica da ZF.

“Cada ponto percentual no ganho de eficiência energética resulta em 2% a mais no alcance”, reitera. Para aumentar a taxa de eficácia do mais recente acionamento elétrico de eixos, a ZF alavancou o seu know-how nessa área e desenvolveu um novo motor elétrico com uma potência máxima de 140 kW, integrando um elemento de mudança de duas velocidades.

“Agregar os nossos conhecimentos técnicos nos campos de motores elétricos, transmissões e unidades eletrónicas garante que possamos obter a maior autonomia possível para cada recarga de bateria”, declara Hellwig.

Veículos equipados com o novo sistema de tração de duas velocidades consomem menos energia, o que, em consequência, leva a um aumento de 5% na autonomia em comparação com uma unidade de apenas uma velocidade. A troca ocorre aos 70 km/h.

Pela ligação com a rede de comunicação CAN do automóvel, se o cliente desejar é possível projetar outras estratégias de mudança, eventualmente conectadas a mapas digitais e GPS.

Por exemplo: com base no trajeto programado no GPS, o veículo poderia identificar a distância até a próxima estação de recarga, permitindo que reaja de forma preditiva mudando para o modo económico.

Isso também viabilizaria trocas de velocidade mais eficientes, de acordo com a topografia nas autoestradas e estradas nacionais. Além disso, a integração com serviços em "nuvem" permite atualizações OTA (do inglês “Over-the-Air”) do software do sistema de arranque.

Para os fabricantes, a nova solução de tração de duas velocidades oferece duas formas de utilizar a eficiência energética aprimorada, uma vez que podem optar por uma maior autonomia mantendo o acumulador no mesmo tamanho ou utilizar um acumulador menor.

Com uma estrutura que otimiza o espaço necessário para a instalação, o componente de duas velocidades é adequado para veículos com interior limitado, como veículos de turismo compactos, e oferece benefícios para os fabricantes, que se focam no desempenho.

Também pode querer ler