“A ATM continua a afirmar-se e a subir nas vendas”

Entrevista com Paulo Costa, administrador da ATM

Para que o negócio continue a crescer, saudável, o portefólio precisa de ser continuamente alimentado, tanto através do lançamento de novos produtos como de novas marcas.

Não se pode parar. A ATM (Auto Torre da Marinha) não tem dúvidas disso mesmo e acredita, inclusivamente, que, para prosperar no mercado, importa estar preparado para poder comercializar todas as linhas de produto para automóvel, dado que o objetivo da empresa é manter um bom nível de prestação de serviço disponibilizado a todos os clientes.

Há dois anos, a ATM inaugurou um amplo armazém no Seixal. Uma oportunidade ímpar para conseguir aumentar a capacidade do seu stock e logística, o que, consequentemente, contribuiu bastante para o sucesso da empresa, verificado em matéria de vendas. A ATM tem as suas atenções centradas nos clientes. Todos são diferentes e igualmente importantes.

Por isso, a equipa encontra-se, constantemente, preparada para satisfazer as necessidades específicas de cada um deles. Para os responsáveis da ATM, tal esforço é reconhecido: o feedback da maioria dos clientes é muito satisfatório.

A entrada das marcas de automóveis no aftermarket, de resto, não tem prejudicado o negócio. Independentemente do crescimento da concorrência, a ATM continua a afirmar-se e a subir patamares em termos de vendas.

Os portais de vendas online podem ser vistos como oponentes, admitem os responsáveis, mas apenas no que se refere ao consumidor final, uma vez que estes não conseguem corresponder, ao contrário da ATM, aos níveis de serviço exigidos pelos clientes profissionais, muito mais esclarecidos.

Atendendo ao sucesso da empresa, hoje, um dos principais players do mercado da distribuição de peças em Portugal, nos próximos tempos, a tática permanecerá idêntica à praticada ao longo da história.

Qual tem sido a evolução da vossa plataforma B2B?
A evolução tem sido bastante positiva e com excelente feedback por parte dos nossos clientes que conseguem fazer pedidos online, consultar stocks, acessos a matrículas e dados técnicos.

As peças para os veículos elétricos e híbridos já têm alguma representatividade nas vossas vendas?
A procura de peças para estes veículos ainda não tem expressão, mas sabendo que é o futuro, vamos estar atentos à evolução.

Quais foram as principais ações realizadas pela ATM em 2018?
Fizemos algumas campanhas exclusivas para os nossos clientes e realizamos ações de formação para funcionários e clientes. Para nós todos os clientes são importantes, e a nossa equipa esta preparada para satisfazer as necessidades específicas de cada tipo de cliente.

A entrada das marcas de automóveis no aftermarket tem afetado o vosso negócio?
São mais um concorrente, não a nível de peças originais, mas sim com novas marcas chamadas “linhas económicas”, e a criar redes de oficinas, mas felizmente mesmo com este tipo de concorrência, continuamos a crescer nas vendas.

E os portais de venda de peças online, também considera concorrentes?
Sim, são nossos concorrentes, mas só através do consumidor final, pois nos clientes profissionais não conseguem corresponder ao nosso nível de serviço.

Também pode querer ler