"Seis anos a criar soluções incrivelmente simples”

A TIPS 4Y está a celebrar seis anos. E o balanço não podia ser mais positivo. Pedro Barros, CEO da empresa, garante que os objetivos foram cumpridos e que o pós-venda automóvel dispõe, hoje, daquilo a que chama de soluções “incrivelmente simples”.

Imaginemos uma longa escadaria com vários patamares. Quando começamos a subir, degrau a degrau, podemos até sentir algum esforço, mas é muito visível o resultado da ascensão. A passagem de um degrau para o outro. A partir do momento em que se chega ao primeiro patamar, muito muda. “Para subir o segundo lance, já não é tão fácil como os primeiros degraus. Tudo se torna mais complicado. Tudo é mais exigente”. Cumpridos os primeiros seis anos da TIPS 4Y, Pedro Barros acredita que a empresa está em condições de subir a novo patamar. O CEO gosta de ilustrar os seus pensamentos com imagens fotográficas. Em 2012, juntamente com Susana Barros, criaram a imagem mental daquilo que pretendiam da TIPS 4Y até 2017.

A realidade não desfocou a projeção inicial, esboçada numa sexta-feira, três meses volvidos sobre a criação da empresa. “Praticamente tudo aconteceu. Cumprimos. Queríamos ser uma PME Excelência! Na altura, para este estatuto, era preciso ter um volume de negócios de 500 mil euros. E um conjunto de critérios exigidos pelo IAPMEI. Ao fim de dois ou três anos, já tínhamos os critérios todos cumpridos. Mas, por azar, alteraram o volume de negócios para um milhão de euros. Se os critérios e o volume de negócios se tivessem mantido, este desejo estaria cumprido ao fim de três anos. Desejávamos ter uma equipa multidisciplinar. Hoje somos uma empresa de produto, dispomos na empresa de áreas de desenvolvimento, gestão e produção de dados, gestão de produto, marketing, suporte técnico e apoio ao cliente. Isso faz de nós uma equipa (de nove pessoas) verdadeiramente abrangente”, com competências ao nível do negócio do pós-venda, competências técnicas diversas e ainda alguns apaixonados pelo automóvel e tecnologia, conta.

Outra imagem? “Pretendíamos ser uma empresa reconhecida no mercado e não dependente do TecDoc. Conseguimos. Hoje, representa menos de metade do negócio”, sublinha Pedro Barros, ciente de que, no segundo patamar da existência da empresa, os desafios obrigarão a uma (ainda) maior organização.

Informação com inteligência

Pedro Barros partiu com algumas vantagens para a criação da TIPS 4Y. Trazia na bagagem uma experiência de 25 anos no mercado do pós-venda, conhecendo por dentro as suas carências e necessidades. E, não menos importante, alimenta, desde sempre, uma “paixão” pelos automóveis e pela tecnologia, sendo que ambos se confundem, hoje. A criação da empresa surge, deste modo, da vontade de abraçar o futuro e de trabalhar o negócio dos sistemas de informação para o setor automóvel. Descodificando-a. Simplificando-a. “Hoje, o problema não é a falta de informação, mas sim o excesso dela. Por vezes, dificulta mais do que ajuda. É complexa e de difícil acesso! Fazia falta oferecer dados, produtos e soluções de forma simples! Criando nos diversos players vantagens competitivas nos negócios atuais e novos modelos de negócio”, explica.

O método encontrado pela TIPS 4Y foi, a seu modo, revolucionário para todos os que se relacionam com o pós-venda, sejam empresas de peças ou de reparação, mas, também, seguradoras, financeiras, stands de vendas de usados e start-ups. Como? Através da criação e disponibilização de dados, produtos e serviços que combinam informação com inteligência. Que criam valor. “Quando colocamos no mercado um produto que permite fazer um orçamento de manutenção em quatro segundos, colocando apenas a matrícula e os quilómetros da viatura, sem necessidade de selecionar o intervalo de manutenção, estamos a combinar diferentes tipos de dados com inteligência”.

Segundo Pedro Barros, “uma vez que o mercado está inundado de informação, importará, sobretudo, saber o que se consegue fazer com ela. Como aceder à mesma. Ou seja, o objetivo é conseguir fazer soluções, mais uma vez, ‘incrivelmente simples”, afirma. E acrescenta: “Este foi o repto que lançámos. Será que conseguimos aproveitar uma experiência acumulada num novo projeto, com a informação que já existe, criar novos dados e conseguir relacionar isto de forma a trazer valor acrescentado para o mercado? Sim ou não? Não sabemos. Vamos tentar. E quando iniciámos o projeto, selecionámos o nosso parceiro principal, que é a TecAlliance. Hoje somos uma empresa que alimenta e fomenta parcerias, de forma a nos permitir desenhar soluções integradas para o mercado, não ambicionamos ser uma software house, mas sim um parceiro da transformação digital do pós-venda automóvel, capaz de responder aos quatro grandes fatores de mudança: Digital Data, Automatização, Conectividade ao longo da cadeia de valor e Acesso ao cliente Digital”, revela o CEO.

Num mercado (pós-venda) tecnologicamente complexo, a qualidade da informação e a sua inter-relação com outros dados, tais como, informação das peças, informação técnica, descodificação do VIN ou da matrícula, entre outros, “tornam-se fundamentais para o sucesso do negócio do pós-venda automóvel”, reconhece Pedro Barros. Mas outros desafios como a telemática, tendência de consumo futuro, soluções de mobilidade, gestoras de frotas e ainda o aparecimento de novos players, “obrigam-nos a preparar a empresa não para uma, mas para varias estratégias, liderar uma enorme imprevisibilidade. Definimos uma direção mas é necessário ir ajustando, é a arte da navegação! Para uns é assustador, para nós é muito aliciante e motivador”, adianta.

Pesquisa por matrícula

Um dos exemplos do carácter inovador das criações da TIPS 4Y foi o sistema de pesquisa por matrícula. “Desenvolvemos um serviço que não existia. Foi algo muito interessante para o mercado. Porque um dos problemas deste é o número, extraordinariamente elevado, de devoluções. E devoluções motivadas pela má identificação das peças, uma vez que, muitas vezes, existe dificuldade em perceber qual o veículo correto para determinada peça. Uma marca/modelo de viatura aparentemente idêntica com a mesma cilindrada, mas com duas potencias diferentes, são dois modelos de veículos distintos com algumas peças eventualmente idênticas, mas muitas outras diferentes.

Se o reparador se enganar a identificar corretamente a viatura estará a provocar uma devolução. Se o material vier enganado, além dos custos de logística inversa, temos de contar com o custo de imobilização do veículo na oficina para além do custo comercial, porque não vai ser possível entregar o veículo ao cliente dentro do prazo acordado. Uma cadeia de problemas”, refere. Problema esse que a a TIPS 4Y resolveu. “Conseguimos criar um sistema de pesquisa por matrícula, completamente desenvolvido por nós, com uma equipa a trabalhar em cima deste novo serviço, que, no fundo, faz a normalização, complementa a informação e ainda faz a correção da mesma. A informação, quando é comprada, traz muito lixo, muitos erros. É uma vantagem muito grande para o mercado, não só pela simplicidade da solução como pela sua rapidez”, diz.

Pedro Barros é da opinião de que o mercado está “mais maduro”, está em processo de organização e consolidação. “As dificuldades dos tempos modernos assentes nas novas tecnologias e no novo tipo de consumidor, obrigaram as empresas a pensar uma estratégia digital. É muito interessante perceber que esta realidade já não depende do tamanho das empresas, mas de quem as lidera, temos casos de clientes de grande e pequena dimensão, mas ambos com grande ambição, onde solicitam a nossa ajuda para uma solução digital integrada, com uma solução de comércio online, ferramentas de análise de cobertura de gama ou ainda entre outros, estudos de custos de utilização de viaturas para um determinado tempo e distancia percorrida”, salienta.

No centro do furacão

Com o boom da telemática, a existência dos veículos conectados e a iminência da condução autónoma, os tempos correm a favor da TIPS 4Y. “Sentimos que estamos no centro do furacão. E, isso, dá-nos um ânimo e uma motivação enormes. Para aqueles que pensam já conhecer tudo, ou que se sentem confortáveis com o negócio atual, esperem para ver o que aí vem. Estão a nascer novos modelos de negócio. Até a palavra modelo de negócio, que quer dizer: o que é que eu vou resolver com esta ideia e como vou ganhar com isto, não me lembro de a aplicar há cinco ou 10 anos. O que se falava, na melhor das hipóteses, e pouco, era no plano de negócio, uma demonstração financeira do mesmo”,  adianta o CEO da empresa.

“Hoje, estamos a entrar em negócios que não são conhecidos. Várias start-ups, nossas clientes, necessitam de informação para negócios de que nunca tinha ouvido falar. Muitas destas ideias nasceram de dificuldades não resolvidas! Hoje já é possível no conforto do sofá fazer um orçamento, uma marcação de uma oficina. Desenvolvidas por jovens que nada têm a ver com o setor do pós-venda. Fascina-nos poder responder a estas novas solicitações. Vão aparecer novos modelos de negócio que não conhecemos”, afirma.

Fotografia de 2023

Para os próximos cinco anos, Pedro Barros já tem a sua fotografia mental. Aquilo que gostaria que a empresa fosse. “Em 2023, a TIPS 4Y será uma empresa de excelência e certificada. Terá um elevado valor para os seus colaboradores e acionistas. Já se internacionalizou”, afirma. Mais? “Será convidada para participar no desenho de novos negócios, venderá consultadoria em cima das soluções. O seu leque de clientes será muito mais do que o tradicional mundo automóvel. Será uma empresa independente, com um vasto leque de experts internos e externos. E colocará produtos no mercado em 12 semanas”, preconiza Pedro Barros, que vê a TIPS 4Y como uma “academia em si mesma”, capaz de “gerar conhecimento e de promover inovação”. E, não menos importante, como uma empresa “cool para trabalhar”.

Mas o responsável está ciente da velocidade a que o mundo anda e das criações que tal implica. Daí que, na projeção mental da empresa, haja espaço para o incógnito.  “Um dos três negócios mais importantes não o conhecemos hoje. Surgirá. E temos de estar preparados”, remata.