Standox reuniu “tropas” na Figueira da Foz

Rede de distribuição da Standox/Robbialac compareceu à chamada e ficou a par das novidades e do programa para os próximos três anos.

Há cinco anos que a Santadox/Robbialac não reunia as suas “tropas” para fazer um balanço da atividade, nos últimos tempos, e para dar conta das novidades perfiladas no horizonte.

Na passada segunda-feira, na Figueira da Foz, foi ocasião para juntar mais de três dezenas de distribuidores da marca numa animada convenção.

Casa cheia para ouvir os responsáveis da Axalta Coating Systems e da Standox, que desenvolveram os objetivos do programa pensado para os próximos três anos.

Luís Alves, responsável da Standox/Robbialac, não escondeu, ao Jornal das Oficinas a importância da realização deste evento, que não acontecia desde 2014.

E contextualizou o hiato temporal: “Foi um processo de mudança e de evolução no relacionamento com a Axalta. Até esse momento, e durante 10 anos, estávamos em ligação com a Standox, na Alemanha, via Espanha. Mas, depois, com a mudança de estratégia da própria Axalta, que passou a ter uma estrutura própria em Portugal, ganhámos uma relação com eles, no nosso país. E com a sede da Standox”.

O responsável explicou que, “nessa altura, fizemos uma convenção com clientes, conscientes de que para ter uma marca implantada no mercado necessitamos de uma estrutura forte de distribuição. Os distribuidores são players fundamentais em termos de promoção, divulgação e serviço pós-venda para os clientes”.

6t76878787Luís Alves, admitiu ainda que, durante algum tempo, existiu uma indefinição interna, o que atrasou a realização deste tipo de eventos. “Sentíamos que era muito importante fazer”, disse.

“Mas, para isso, tínhamos de ter uma mensagem forte para passar, algo de novo para apresentar. Preparámo-nos e fizemos um trabalho interno para um plano a três anos”, adiantou.

“O negócio da Robbialac”, acrescentou, “tem foco na repintura automóvel. E com o apoio da direção e com esta relação mais forte com a Axalta, achámos que era este o momento de realizar a convenção. Queremos fazê-lo, se não anualmente, pelo menos, de dois em dois anos. É fundamental estar com os nossos parceiros”, reforçou.

Sobre as novidades do programa, Luís Alves realçou o facto de a empresa, “além de apresentar um produto, apresentar também um pacote de serviços que permitem à oficina e ao cliente final ter a maior rentabilidade, trabalhando sempre com produtos premium”.

“Mas, por trás, contam com um serviço e com soluções muito inovadoras: a questão da digitalização, algo que está na ordem do dia e que a Axalta é muito competente nesse campo. O produto tem de estar sempre presente, sim, mas os serviços de pós-venda, de formação, do e-learning, tudo isto, hoje em dia, é fundamental”, frisou.

“E permite que, mesmo trabalhando com produtos premium, mesmo em termos de custo e preço, os clientes podem ter rentabilidade e muitas vantagens em termos de eficiência nas oficinas”, acrescentou.

Também pode querer ler